terça-feira, 19 de abril de 2011

Mais de Eucaliptos...


não é preciso ser preciso...


Comigo não servem deduções.


Para me saber não é preciso ser preciso.


Sou filme sem legenda, mas de sorrisos largos que falam por mim.


Amanheço antes do dia, ao som de músicas que invento.


E duro só o instante. Passou, passado.


Para estar comigo há que se entender meu silêncio, embora haja sempre alguém falando dentro de mim.


Percorrer-me ? Só se for devagar, estou nos detalhes.


Em mim tudo acontece quando é tempo. Já sei esperar.


Só não tenho intervalos, não preciso nem de causas, e nem de efeitos.


Entrego-me para quem me sabe.


Sou abrigo, e também sou céu aberto.


É.


Sou.


E sou eu quem vai pagar por isso.

(Solange Maia- Eucaliptos na Janela)

Um comentário:

Diário do Figurino disse...

Que lindo, amei começar o meu dia com uma mensagem assim!